Acesso

Curso do 2º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de Mestre, adequado ao Processo de Bolonha, constante no Despacho nº 14987/2011, publicado no Diário da República, 2ª série, nº 212, de 04 de Novembro de 2011.

O curso de mestrado em Realização – Cinema e Televisão visa proporcionar um conhecimento aprofundado de orientações teóricas, críticas, metodológicas e técnicas no domínio da Realização, tanto de Cinema como de Televisão. Dominar conhecimentos na Realização - Cinema e Televisão, que permitam adquirir as competências necessárias a uma intervenção qualitativa nas áreas de realização de filmes, programas de televisão, investigação, docência, crítica e programação, constituem áreas de intervenção dos futuros profissionais.

FAÇA A SUA CANDIDATURA ONLINE AQUI


Condições de Acesso

Mestrado em Realização - Cinema e Televisão


OBJETIVOS DO CICLO DE ESTUDOS

O curso de mestrado em Realização – Cinema e Televisão tem como objetivo a aquisição pelos alunos dos seguintes conhecimentos e competências comuns:

a) Proporcionar um conhecimento aprofundado de técnicas, linguagens, géneros, conceitos, orientações teóricas, metodologias e fontes de investigação no domínio da Realização tanto de Cinema como de Televisão;

b) Possibilitar uma abordagem aprofundada da área científica de Cinema e Audiovisual;

c) Dominar conhecimentos e competências operacionais no domínio alargado dos diversos processos ligados à Realização – Cinema e Televisão, necessários à elaboração de uma dissertação ou de um trabalho de projeto segundo padrões de qualidade académica, e ao desempenho profissional assentes no conhecimento e na experimentação na área em causa, nos âmbitos público e privado;

d) Adquirir competências que permitam uma aprendizagem ao longo da vida e autonomia na tomada de decisão referentes às políticas do cinema e do audiovisual;

e)  Dominar conhecimentos na Realização - Cinema e Televisão, que permitam adquirir as competências necessárias a uma intervenção qualitativa nas áreas de realização de filmes e de programas de televisão, na investigação, na docência, na crítica e na programação.

CONDIÇÕES DE CANDIDATURA

Serão admitidos à candidatura no mestrado em Realização – Cinema e Televisão:

a) Os candidatos detentores de um certificado de conclusão de licenciatura obtido em Estabelecimento de Ensino Superior de países subscritores da Declaração de Bolonha e de outros considerados afins, tendo em atenção a respetiva estrutura curricular;

b) Titulares de um grau académico superior nacional ou estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objetivos do grau de licenciado pelo órgão científico estatutariamente competente da ESAP;

c) Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da ESAP.

CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO

Os candidatos que reúnam as condições de natureza académica e curricular expressas nas ‘Condições de Candidatura’, serão selecionados e seriados, tendo em atenção os seguintes critérios:

a) Currículo académico:

I) Classificação de licenciatura

II) Licenciatura, preferencialmente nas áreas de Cinema, Televisão e Audiovisual e outras consideradas adequadas

b) Currículo científico

c) Currículo profissional

d) Eventual entrevista como critério complementar

 

Densificação dos critérios de avaliação:

1. A apreciação curricular (AC) será feita tendo em conta os seguintes parâmetros:

a) Currículo académico (CA) – ponderando as habilitações académicas exigidas nos seguintes termos:

I) com classificação final de licenciatura ou equivalente: 10-13 valores....................12 valores

II) com classificação final de licenciatura ou equivalente: 14-16 valores...................15 valores

III) com classificação final de licenciatura ou equivalente: 17-20 valores..................18 valores

 

b) Currículo científico (CC) – ponderando, numa escala de 0-20 valores, a participação dos candidatos em congressos, seminários, projetos de investigação, número de artigos       publicados, prémios e elementos análogos, desde que se trate de atividades na área científica do ciclo de estudos em causa, nos seguintes termos:

I) Currículo muito pouco relevante:10 valores

II) Currículo pouco relevante:12 valores

III) Currículo relevante:14 valores

IV) Currículo muito relevante:16 valores

V) Currículo extremamente relevante:18 valores

 

c) Currículo Profissional (CP) – ponderando, numa escala de 0-20 valores, a duração e natureza das funções profissionais exercidas, desde que tituladas por contrato de trabalho ou em regime de trabalho independente, na área científica do ciclo de estudos em causa, nos seguintes termos:

I) Currículo muito pouco relevante: 10 valores

II) Currículo pouco relevante: 12 valores

III) Currículo relevante: 14 valores

IV) Currículo muito relevante: 16 valores

V) Currículo extremamente relevante: 18 valores

 

2. Para além da apreciação curricular, poderá realizar-se uma eventual entrevista individual (EI), sempre que a apreciação do curriculo académico, científico e profissional não seja suficientemente distintiva da posição dos diferentes candidatos, considerando-se para o efeito as seguintes competências e capacidades:

I) Capacidade de expressão e Comunicação

II) Motivação para o ingresso no ciclo de estudos

A classificação de cada membro resultará da média aritmética das pontuações atribuídas na escala de 0 a 20 valores a cada um dos dois fatores de apreciação I) e II).

 

3. A classificação final será pontuada mediante a aplicação da seguinte fórmula, numa escala de 0 a 20 valores: AC = (CA*X+CC+CP)/3.

Sendo que:

AC = Apreciação curricular

CA = Currículo Académico

CC = Currículo Científico

CP = Currículo Profissional

O fator de ponderação X assume um dos seguintes valores:

X = 1.3 para candidatos licenciados nas áreas de Cinema, Televisão e Audiovisual

X = 1.0 para candidatos licenciados nas restantes áreas consideradas adequadas

 

4. Havendo necessidade de realizar uma entrevista individual (EI) procede-se à adaptação da fórmula de classificação final, nos seguintes termos: CF = (AC+EI)/2

Sendo que:

CF = Classificação Final

AC = Apreciação Curricular (Curricula académico + científico + profissional)

EI = Entrevista Individual

 

5. As pontuações resultantes do cálculo de médias serão expressas até às centésimas, por arredondamento, em cada método de seleção e ainda na classificação final, por defeito ou por excesso, conforme o valor das milésimas seja inferior ou superior ou igual a cinco. 

PRAZOS

 

1ª FASE                                          

Candidaturas: 3 Julho a 11 Agosto 2017

Entrega de toda a documentação: até 11 Agosto 2017

Afixação das listas provisórias de seriação e colocação: 8 Setembro 2017

Reclamações: 11 a 13 Setembro 2017

Afixação das listas definitivas de seriação e colocação: 15 Setembro 2017

Matrículas: 18 a 22 Setembro 2017   

 

2ª FASE (havendo vagas)

Candidaturas: 18 a 29 Setembro 2017

Entrega de toda a documentação: até 29 Setembro 2017

Afixação das listas provisórias de seriação: 3 Outubro 2017

Reclamações: 4 a 6 Outubro 2017

Afixação das listas definitivas de seriação e colocação: 9 Outubro 2017

Matrículas: 12 a 17 Outubro 2017

VAGAS

 

20

DOCUMENTAÇÃO

1. Boletim de candidatura (modelo da ESAP);

2. Certificado de habilitações (cópia cotejada pelos serviços) e suplemento ao diploma (caso se aplique);

3. Curriculum Vitae detalhado;

4. Documento de Identificação.

Nota:

O documento referido no nº 2 deve ser traduzido sempre que não for emitido em português, inglês, francês ou espanhol, por tradutor oficial, e autenticado pela embaixada ou pelo consulado português no país de origem das habilitações ou pela Apostila da Convenção de Haia.

PREÇOS

 

Propinas e Taxas Escolares da ESAP.

INFORMAÇÕES

 

A leitura desta página não dispensa a consulta das Normas Regulamentares do Mestrado em Realização – Cinema e televisão.