Anterior Seguinte

Seminário #13 – Joana Cunha Leal e Mariana Pinto dos Santos

3º FRENTE – 17h00 | Largo de S. Domingos, 80 19 de Maio de 2017

Coordenação: Eduarda Neves

Organização: PGAC | Pós-Graduação em Arte Contemporânea; MRCT | Mestrado em Realização - Cinema e Televisão e AVF | Licenciatura em Artes Visuais | CEAA – Grupo de Arte e Estudos Críticos

Joana Cunha Leal (doutoramento 2006) é Professora Auxiliar do Departamento de História da Arte da FCSH-UNL e Diretora do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma Universidade. É responsável pela área de doutoramento em Teoria da Arte e pelo Grupo de Investigação Teoria, historiografia e crítica no IHA. Trabalha desde 2010 questões sobre modernismo, tendo o seu projeto de investigação “Other Modernisms? The case of Amadeo Souza Cardoso” recebido uma bolsa Fulbright. Foi investigadora principal do projeto Southern Modernisms financiado pela FCT (2014). Co-editou com Mariana Pinto dos Santos nº10 da Revista de História da Arte – práticas da teoria (2012). É igualmente co-editora do volume To and Fro: modernism and vercular architecture (2013; com M. Helena Maia e A. Cardoso). Foi bolseira do Stone Summer Theory Institute em 2010 e 2011. É autora de vários artigos, entre os quais se destaca um artigo de investigação no âmbito da exposição O Círculo Delaunay (Fundação Calouste Gulbenkian, 2015).

 

Mariana Pinto dos Santos é historiadora da arte, doutorada em História e Teoria pela Facultat de Belles Arts, Universitat de Barcelona, e investigadora integrada do Instituto de História da Arte, FCSH-UNL. É autora do livro Vanguarda & Outras Loas — Percurso Teórico de Ernesto de Sousa (Assírio & Alvim, 2007), bem como de diversos ensaios publicados em revistas, catálogos e livros, sobre história da arte contemporânea, modernidade e modernismo, teoria e historiografia da arte. É coeditora da obra literária de Almada Negreiros (Assírio & Alvim) e da revista Intervalo (Pianola/Vendaval). É curadora da exposição José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno (Museu Calouste Gulbenkian, 2 de Fevereiro a 5 de Junho de 2017).